Coquette - de origem francesa "coquette" significa sedutora, na gíria portuguesa pode significar vaidosa ou graciosa. Intelectual - que pertence ao intelecto ou à inteligência, espiritual.

03
Abr 10

Em literatura, o sentido é produzido pelo leitor mediante os estímulos que o texto lhe oferece.

(...)

A obra literária é «enriquecida» por cada leitor «suficiente», que nela descobre (ou gera) novos sentidos. Liberto do autor, o texto ganha uma vida própria. Torna-se uma relação concreta, diálogo, transacção, cópula. Tem a vida que lhe empresta a subjectividade de cada leitor. De Montaigne a Valéry não vai grande distância: história da literatura igual a história dos leitores, melhor, das leituras. Chegamos a uma concepção recente: a de Hans Robert Jauss, paladino da «estética recepcional». Segundo ele, «a vida histórica da obra literária é inconcebível sem o papel activo que desempenha o seu destinatário». Daí o historiador da literatura não passe dum leitor consciente do seu lugar na sucessão histórica dos leitores.

(...)

A literatura é o domínio do instável, miragem de eternidade que paira sobre a corrente dos anos e dos séculos. Um absoluta à escala humana: fica e passa. (...) Porque a obra literária, como acentuou Umberto Eco, é, por natureza, «aberta»:

«A abertura e a "totalidade" não revelam dos estímulos objectivos, em si próprios materialmente determinados; não dependem tão-pouco do sujeito que, em si, se encontra disposto a todas as aberturas e a nenhuma; residem, sim na relação de conhecimento no decurso da qual se efectivam as aberturas suscitadas e dirigidas pelos estímulos, estes, por seu turno, organizados em obediência a uma intenção estética.»

Concebida assim a abertura, a vida das obras através de sucessivos leitores é subjectiva, mas não só, porque a «leitura» é dirigida, orientada por um tecido de estímulos que permanece, como que liberto do tempo, com o seu poder de pro-vocação, de convite.

(...)

Assim a literatura é um espaço de convivência, de comparticipação, onde simultaneamente se afinam o apreço pelo original e a consciência da comunidade. A própria língua, dentro da qual trabalha (é trabalhado) o escritor, impõe a dimensão social do literário.

(...)

 

Jacinto Do Prado Coelho

Bertrand, 1976           

publicado por coquetteintelectual às 16:28

Abril 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
16
17

18
19
20
21
22
23
24

25
26
27
28
29
30


mais sobre mim
pesquisar neste blog
 
blogs SAPO