Coquette - de origem francesa "coquette" significa sedutora, na gíria portuguesa pode significar vaidosa ou graciosa. Intelectual - que pertence ao intelecto ou à inteligência, espiritual.

24
Fev 09

 

"Lá fora, a noite estava semeada de milhões de estrelas, planetas, cometas, asteróides nos seus voos loucos, constelações de todos os tamanhos e das mais diferentes formas. Olhou por cima do ombro direito, pela vigia lateral, procurando absurdamente uma luz branca que julgava ter visto algures, mas não me lembrava quando, nem sequer era capaz de dizer se a tinha visto, de facto, ou se apenas a imaginara em sonhos."

 

Miguel Sousa Tavares 

O Planeta Branco, Oficina Do Livro, 2005 

publicado por coquetteintelectual às 14:57

23
Fev 09

 

 

«Ao cair da primeira noite, adormeci sobre a areia, a mil milhas de qualquer terra habitada. Estava mais só do que um náufrago numa jangada em pleno oceano. Podem imaginar, portanto, a minha surpresa quando fui acordado, ao romper do dia, por uma vozita que me dizia:

- Por favor... desenha-me uma ovela...

- Quê?

- Desenha-me uma ovelha...

Ergui-me de um pulo, como fulminado por um raio.

Esfreguei os olhos com força e olhei atentamente à minha volta. Reparei então num rapazito que me fitava, muito sério.»

 

Saint-Exupéry

O Principezinho, Publicações Europa-América, 1996

publicado por coquetteintelectual às 16:48

20
Fev 09

 

My heart leaps up when I behold
A rainbow in the sky:
So was it when my life began;
So is it now I am a man:
So be it when I shall grow old,
Or let me die!
The child is father of the man;
And I could wish my days to be
Bound each to each by natural piety.

 

William Wordsworth

publicado por coquetteintelectual às 17:42

19
Fev 09

 

 

A jovem Anne vai para Londres em busca de aventura. E rapidamente a encontra: na plataforma de embarque do metro de Hyde Park Corner, onde um homem perde o equilíbrio e morre electrocutado nos carris.

O veredicto da Scotland Yard aponta para morte acidental. Mas Anne não fica satisfeita. Afinal, quem era o homem de fato castanho que examinou o corpo fazendo-se passar por médico? De que forma é que este assassinato pode estar relacionado com a morte da misteriosa Nadina?

Determinada a resolver o mistério, Anne parte num cruzeiro com destino à Cidade do Cabo, na África do Sul. Mas esta poderá vir a ser a sua derradeira viagem...

 

Agatha Christie

O Homem Do Fato Castanho, Edições ASA, 2003

publicado por coquetteintelectual às 15:11

18
Fev 09

 

 

Os números primos só aceitam ser divididos por si mesmos e por 1. O 3 e o 5, que por pouco não se tocam, são primos gémeos. Dois números igualmente sós. Haverá modo mais poético de exprimir a irremediável solidão humana? Em 'A Solidão Dos Números Primos', Paolo Giordano, físico de 26 anos, reconcilia-nos - mesmo a nós, portugueses, que a odiamos -, com a Matemática. Quem nunca sentiu um número primo que atire a primeira moeda.

 

Correio Da Manhã

Suplemento Domingo, 15 de Fevereiro de 2009    

publicado por coquetteintelectual às 20:59

 

 

Neste romance surpreendente e admirável, que revelou ao leitor português uma grande escritora mexicana, toda a trama narrativa roda em torno da cozinha e de um certo número de elementos culinários. Cada capítulo abre com a receita fora do comum (mas ao mesmo tempo perfeitamente realizável), a pretexto e em volta da qual não apenas se juntam os comensais, mas também se "cozem" e "temperam" amores e desamores, risos e prantos , e se celebra o triunfo da alegria e da vida sobre a tristeza e a morte.

Através dos amores proibidos de Tita e Pedro, Laura Esquivel retrata-nos o México rural dos princípios deste século e tece um hino inesquecível ao prazer dos sentidos e á liberdade criativa da mulher.

Enorme sucesso editorial, Como Água Para Chocolate foi traduzido em inúmeros países e adaptado ao cinema.

 

Laura Esquivel

Como Água Para Chocolate, Edições ASA, 2009

publicado por coquetteintelectual às 20:32

15
Fev 09

 

Na casa

onde todos iam e vinham como formigas

carregando às costas cada hora

só ela sem paciência

desfazia o colar das horas transportadas.

E perguntava qual a medida do tempo:

se as horas

se o sonho que as desligava.

 

Na casa

onde todos dormiam só ela velava.

E perguntava:

se era ela sonhando que dormia

com os outros sem sonhos a velá-la.

 

Na casa

onde todos rezavam orações decoradas

à volta de uma imagem

só ela anjo mudo

escutava na aragem

a voz que lhe chegava do princípio de tudo.

 

Natália Correia

 Poesia Completa, Dom Quixote, 1999

publicado por coquetteintelectual às 18:34

 

 

Procuro desesperadamente as armas do meu tempo.

Precisava de uma enxada mais do que da pena

precisava de cavar até ao fundo

até ao fundo do meu tempo

desenterrar as palavras em ruínas

e perguntar-lhes pelas palavras

pelas armas do meu tempo.

Precisava de uma enxada mais do que da pena.

Precisava de uma espada.

 

Manuel Alegre

O Canto E As Armas, Poesia - Nosso Tempo, Coimbra, 1974

publicado por coquetteintelectual às 17:55

05
Fev 09

 

My body is a cage that keeps me
From dancing with the one I love
But my mind holds the key

My body is a cage that keeps me
From dancing with the one I love
But my mind holds the key

I'm standing on a stage
Of fear and self-doubt
It's a hollow play
But they'll clap anyway

My body is a cage that keeps me
From dancing with the one I love
But my mind holds the key

You're standing next to me
My mind holds the key

I'm living in an age
That calls darkness light
Though my language is dead
Still the shapes fill my head

I'm living in an age
Whose name I don't know
Though the fear keeps me moving
Still my heart beats so slow

My body is a cage that keeps me
From dancing with the one I love
But my mind holds the key

You're standing next to me
My mind holds the key
My body is a

My body is a cage
We take what we're given
Just because you've forgotten
That don't mean you're forgiven

I'm living in an age
That screams my name at night
But when I get to the doorway
There's no one in sight

My body is a cage that keeps me
From dancing with the one I love
But my mind holds the key

You're standing next to me
My mind holds the key

Set my spirit free
Set my spirit free
Set my body free

 

Arcade Fire

"My Body Is A Cage"

Neon Bible

publicado por coquetteintelectual às 15:46

04
Fev 09

 

 

Anne Elliot não é uma rapariga presunçosa, mas uma jovem fina e educada, com grande profundidade de sentimentos e uma inabalável integridade, que leva uma vida curiosamente semelhante à de Cinderela, com um pai ridículo e uma irmã autoritária.

À medida que a história se desenrola, Anne consegue libertar-se da autoridade da familília através de relações de amizade com mulheres de temperamento forte e consegue a realização pessoal  neste romance em que os homens e a mulheres são apresentados em pé de igualdade sob o pontó de vista moral.

 

Jane Austen

Persuasão, Europa América, Julho de 2007

publicado por coquetteintelectual às 21:23

Fevereiro 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

16
17
21

22
25
26
27
28


subscrever feeds
mais sobre mim

ver perfil

seguir perfil

5 seguidores

pesquisar neste blog
 
Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

blogs SAPO